Nosso Blog

Confira nossas novidades!

Veja outros Posts

As Crenças Limitantes podem impedir o seu sucesso enquanto Profissional de Meio Ambiente

As Crenças Limitantes podem impedir o seu sucesso enquanto Profissional de Meio Ambiente

Muitos profissionais de meio ambiente se deixam levar pelas chamadas crenças limitantes. No entanto, o que exatamente são tais crenças?

 

O que são as crenças limitantes?

As crenças limitantes são uma espécie de desculpa para não fazer o que você realmente gostaria de fazer. Elas são o que nos mantém na zona de conforto e segurança e limitam nosso desenvolvimento pessoal e, consequentemente, a conquista dos nossos objetivos.

Muitas vezes, as crenças limitantes existem em nossa cabeça e não refletem necessariamente a realidade.

Isto significa que, muitas das vezes, uma situação na qual você acredita estar preso pode estar em sua própria cabeça. Logo, mudando o pensamento, você pode mudar também seu comportamento e atingir o seu estado ideal. Um exemplo prático: são inúmeros os profissionais de meio ambiente que deixam de se capacitar após a graduação pela necessidade de se inserirem de imediato no mercado de trabalho.

Muitas das vezes, os profissionais deixarão de buscar se atualizar em seu próprio ramo e, não buscando atualizações e melhorias profissionais, serão 'passados para trás'. O mercado, em especial o de meio ambiente, está em evolução a todo momento e tendências surgem todo dia. Quem diria, dez anos atrás, que drones hoje existiriam até em formato recreativo e se tornariam imprescindíveis para que possamos desenvolver e operacionalizar determinadas tarefas?

 

As fontes das crenças limitantes

Para atingir seus objetivos, é necessário livrar-se das crenças que não fazem sentido. É um processo longo, mas tenha certeza que, ao fim dele, você atingirá a excelência e alta performance que tanto almeja.

Para entender melhor, confira abaixo alguns tipos de fontes dessas crenças:

  • Experiências: suponha que você tenha iniciado um empreendimento que não deu certo. É possível que, desta experiência indesejada, surja uma crença limitante que o impeça de criar o seu próprio negócio novamente, uma vez que, da primeira, deu errado. Não significa, é claro, que sempre dará errado;
  • Lógica equivocada: ainda utilizando o exemplo acima, existe a chamada lógica equivocada. Não é porque deu errado de início, que dará numa nova tentativa;
  • Desculpas: uma das mais perigosas! Adoramos inventar as chamadas 'historinhas', ou desculpas, para que não sigamos em frente. Um exemplo clássico é a dieta alimentar com o objetivo de emagrecer ou ser mais saudável: quanto mais deixamos para o amanhã, mais os avanços são postergados;
  • Medo: medo é um dos fatores extremamente limitantes. Um indivíduo pode ter medo de viajar de avião e, assim, perder a chance de conhecer lugares incríveis no mundo que são mais facimente acessíveis com voos. O estranho é que, por outro lado, o avião é um dos meios de transportes mais seguros que existem. No entanto, o medo acaba pesando na decisão final, mesmo que vá contra a realidade e os fatos;
  • Círculo social: família, amigos e colegas que fazem parte do cotidiano podem ser uma grande fonte de crenças limitantes para alguém. Quer um exemplo? Imagine um amigo relatando uma experiência desagradável que teve comendo sushi, desencorajando você a fazer o mesmo pois passou mal. Você pode se sentir influenciado, futuramente, a não ingerir sushi com medo de ter a mesma experiência da outra pessoa;
  • Religião: a religião também pode ser uma fonte de crenças limitantes, independente de qual seja. Em certas religiões islâmicas, e até mesmo ocidentais, por exemplo, é proibido que mulheres trabalhem ou, então, desempenhem funções que são comuns a homens.
  • Sociedade: uma das mais difíceis de se lutar contra, a sociedade em que vivemos dita a forma que conduzimos nossa vida e nossas aspirações. Logo, quando ela estabelece certos padrões, inclusive de beleza, pode criar também crenças limitantes para pessoas que não se encaixam em determinado grupo.

 

Crenças limitantes não são fatos!

Como se pode perceber, crenças limitantes raramente são fatos. Muitas vezes, sequer existem relações com a realidade, e é aí que entram as oportunidades! Já que a crença limitante não tem embasamento, livrar-se dela é algo extremamente benéfico (apesar de parecer difícil de início).

Caso você seja um profissional de meio ambiente que precisa terceirizar vários dos seus serviços, como Outorga do Direito do Uso de Recursos HídricosGeoprocessamento ou Mapeamento Aéreo com Drones e não atinge, no fim do mês, a máxima receita que poderia simplesmente por 'não saber' como atuar nestes campos, esta é, sem dúvidas, uma grande crença limitante!

Ao realizar cursos profissionalizantes nestas áreas, você desenvolverá as capacidades técnicas e as habilidades necessárias para desempenhar outros tipos de projetos, sem precisar terceirizar serviços. Que tal começar agora?

 

E a Metodologia DISC?

A metodologia DISC é uma das ferramentas que discutimos no curso Formação PMA (Profissional de Meio Ambiente) e que pode ajudar você a descobrir mais sobre sua própria personalidade e, eventualmente, identificar estas crenças.

Ela surgiu na década de 1920 com o professor William Marston, PhD em Psicologia pela Universidade de Harvard. A teoria de Marston serviu para explicar as reações emocionais dos seres humanos ao cotidiano e às adversidades deste.

Em um de seus mais famosos trabalhos, o livro 'As Emoções das Pessoas Normais', Marston descreve quatro tipos comportamentais principais, que deram origem à sigla DISC:

  • Dominance (dominância): pessoas mais controladoras, que tem poder de persuasão e assertividade;
  • Influence (influência): pessoas com facilidade para se relacionarem e comunicarem mensagens;
  • Steadiness (estabilidade): aqueles que tem maior paciência e persistência;
  • Conscientiousness (cautela): os organizados, bem estruturados, que pensam um pouco mais antes de agir.

Marsten foi o primeiro a sistematizar a metodologia; no entanto, até Hipócrates e Galeno, filósofos clássicos, já trabalhavam com estudos na área. Hoje, a técnica está ainda mais desenvolvida e existem outras nomenclaturas para os diferentes tipos de perfis comportamentais.

Para mais informações, basta conferir o mais recente episódio do IBRACAMCAST.

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

© Ibracam

by nerit